O organismo em equilíbrio metabólico, nutricional, hormonal, emocional, ambiental e espiritual, tem a capacidade de defender-se das doenças, manter-se com saúde, prolongar a vida com qualidade e desfrutar de todo seu potencial.

Nos últimos 80 anos, produzimos mais toxinas ambientais do que em toda a história da humanidade. Essas substâncias, denominadas xenobióticos, são estranhas ao organismo e estão presentes nos aditivos químicos dos alimentos industrializados, defensivos agrícolas, adubos, cosméticos, embalagens etc. Os xenobióticos têm causado desequilíbrio no metabolismo pela sobrecarga dos órgãos especializados na desintoxicação do organismo, como fígado, intestinos, rins, pulmões, pele e sistema linfático. O excesso dessas substâncias, em conjunto com a sobrecarga e/ou falha dos órgãos detoxificantes têm potencial teratogênico (causar danos ao feto), oncogênico (produzir câncer), desregulador do sistema endócrino, promotor de doenças e de diminuição da expectativa de vida.

Diminuir o aporte dessas substâncias e auxiliar os processos de desintoxicação e eliminação dos xenobióticos é uma forma eficiente, natural, econômica e isenta de efeitos colaterais para o organismo readquirir seu equilíbrio.

Antes que as doenças se instalem, vários sinais e sintomas de alerta surgem, que poderão estar relacionados com a sobrecarga dos órgãos detoxificantes:

Cansaço, letargia, e indisposição frequentes;

Diminuição do interesse sexual, dificuldade de ereção, ejaculação precoce e diminuição da qualidade ou ausência do orgasmo;

Dificuldade de eliminação de fezes ou sensação que não eliminou o suficiente;

Dificuldade de digestão, excesso de gases, dor ou plenitude após alimentar-se;

Distensão abdominal mesmo que o restante do corpo esteja magro;

Ganho de peso mesmo sem abusos ou desequilíbrios alimentares, gorduras localizadas, celulite e flacidez;

Queimação estomacal com uso freqüente de anti-ácidos;

Baixa imunidade, com infecções, inflamações e resfriados frequentes;

Dificuldade de iniciar ou manter o sono;

Acordar cansaço apesar de dormir o tempo de costume;

Pele excessivamente seca ou oleosa, com acne, seborréia ou caspa;

Descamação da sola dos pés ou palma das mãos;

Odores corporais fortes e mau hálito;

Alergias com agentes novos ou piora de agentes alérgicos conhecidos;

Coceiras, irritação ou manchas vermelhas na pele;

Olheiras e edema subpalpebral;

Inchaços nos tornozelos, punhos ou abdômen;

Rigidez, dor ou inchaços articulares, especialmente ao acordar;

Excesso de secreções e congestão nasal, pigarro e muco espesso sobre a lingual;

Aumento da glicemia e/ou insulina;

Depressão e tristeza sem motivos aparentes;

Tonteiras, falta de concentração e confusão mental;

Tensão Pré-Menstrual;

Necessidade de tomar café ou outro estimulante para ter ânimo para as tarefas;

Comportamento ansioso, com irritabilidade, falta de paciência e intolerância;

Cefaléia e/ou enxaqueca;

Percepção de envelhecimento acelerado e aumento das rugas;

Diminuição dos reflexos, memória e velocidade de raciocínio.

 

Desintoxicação Hepática

O fígado é o órgão de maior importância para a desintoxicação do organismo. Em nenhum momento da história o ser humano exigiu tanto do fígado para neutralizar, filtrar e eliminar as substâncias químicas provenientes do meio ambiente.

Além das toxinas da poluição do ar e da água, os alimentos industrializados sobrecarregam o fígado com conservantes para aumentar o prazo de validade; corantes para melhorar o aspecto; flavorizantes para ressaltar o sabor; embalagens plásticas, latas revestidas com alumínio etc. Nas Carnes, laticínios e ovos encontramos grandes quantidades de hormônios e antibióticos, também presentes em seus excrementos e urina que poluem os rios e mares. As plantas também recebem grande quantidade de agrotóxicos e adubos químicos, que terão o fígado como destino final. Alguns países já adotam um controle sobre a quantidade máxima de resíduos químicos que as carnes, laticínios e vegetais podem apresentar. Porém, essas substâncias podem acumular-se no organismo tornando-se potencialmente perigosas mesmo em quantidades mínimas.

Outras substâncias que contribuem para sobrecarregar o fígado são as gorduras trans e hidrogenadas, fartamente presentes nos alimentos industrializados. As moléculas dessas gorduras são alteradas e estranhas ao organismo, que podem causar disfunções das membranas celulares e nucleares e comprometer as funções dos receptores. O organismo pode ter dificuldade em utilizar essas gorduras como fonte de energia e acumulá-las causando obesidade.

Desintoxicação intestinal

Além do desconforto proporcionado pela diminuição do ritmo do fluxo intestinal, aumento da disbiose (desequilíbrio da flora intestinal) e alteração na permeabilidade intestinal, a constipação promove a maior reabsorção da bile carregada de metabólitos hepáticos, que cronicamente causará sobrecarga hepática.

As fibras além de regularizarem o ritmo do fluxo intestinal, também são eficientes carreadoras das toxinas provenientes do metabolismo hepático.

Os alimentos industrializados são empobrecidos dos nutrientes, recebem produtos químicos e são desprovidos das fibras. Daí a necessidade do aumento do consumo de legumes, verduras, frutas, cereais integrais e também a suplementação com fibras.

Recomendações para melhora do fluxo intestinal:

Misture quantidades iguais de semente de linhaça moída no liquidificador + farelo de trigo + farelo de aveia e guarde em um pote. Adquira ameixas secas sem semente (1 quilo). Cozinhe alguns minutos e amasse com um garfo para transformar em uma pasta e guarde em um pote. Misture uma colher de sopa da pasta de ameixas e das fibras e tome no desjejum e antes de dormir. Guardar os potes em geladeira;

Beber pelo menos 2 litros de água mineral de boa qualidade ao dia;

Praticar atividades físicas regulares;

Evitar alimentos pobres em fibras e enzimas digestivas como bolos, doces, pão branco, massas, alimentos industrializados em geral;

Aumentar os alimentos ricos em fibra e enzimas digestivas como legumes, verduras, frutas, pães e biscoitos integrais, arroz integral;

Mamão engolindo as sementes e mastigando parte delas;

Laranja engolindo o bagaço;

Iogurte natural, preferencialmente produzido em casa com leite não UHT (de caixinha, prefira leite em sacos ou vidros, encontrados em lojas de produtos naturais);

Tomar 1 colher de sobremesa de óleo de linhaça ao dia;

Evite o uso de laxantes;

Regularize o ritmo intestinal, indo ao banheiro no mesmo horário todos os dias, mesmo sem vontade;

Suco de Clorofila: Tome 1 copo de suco pela manhã e antes de dormir:
Bater em centrífuga ou liquidificador SEM ÁGUA: 1 maçã picada com casca e sem semente + 3 folhas de couve ou outras hortaliças ricas em clorofila (agrião, rúcula, hortelã etc).