Epigenética – A nova ciência que explica as origens do câncer, inflamação e obesidade

O termo “epigenética” define um conjunto de alterações que ocorrem no DNA sem alterar a sequência dos nucleotídeos, ou seja, mantendo inalterada a codificação genética.

As mudanças ocorridas no estilo de vida da humanidade nos últimos 80 anos, com a introdução de substâncias químicas no meio ambiente, aumento do estresse e sedentarismo, têm causado alterações nos genes que predispõem ao câncer, à obesidade e à inflamação crônica subclínica. Esta última, perpetua o ciclo por gerar, manter e amplificar a obesidade, o câncer e todas as outras doenças crônicas.

A medida mais importante para a Medicina Preventiva é evitar ou controlar a INFLAMAÇÃO CRÔNICA SUBCLÍNICA. O processo inflamatório agudo, ou seja, pontual e temporário, é essencial para a manutenção da saúde e da vida. Porém, quando esse processo se cronifica compromete a saúde, pois serve de base para as doenças crônicas e pode alterar a estrutura do DNA das células afetadas pelo processo inflamatório.

A alimentação e a suplementação dos nutrientes necessários para as células funcionarem de forma eficiente, constitui a primeira medida para prevenir a inflamação e as alterações epigenéticas que originarão e perpetuarão a obesidade, câncer e demais doenças crônicas. O ciclo vital de todas as células produz radicais livres, hoje chamados de espécies reativas de oxigênio, que oxidam (“envelhecem”) as células. Os nutrientes antioxidantes necessários para a neutralização desses radicais livres, desaceleram o envelhecimento celular. A ingesta de frutas, legumes e verduras frescas, de preferência orgânicos (sem agrotóxicos) diariamente, é uma das melhores medidas para reprogramar epigeneticamente a saúde, no nível celular.

O equilíbrio emocional é essencial na prevenção das alterações epigenéticas ou danos às estruturas celulares. O excesso de cortisol, que é o hormônio responsável pela resposta do organismo ao estresse, sobretudo de forma crônica, inicia e mantém os processos inflamatórios que serão a base para as doenças cardiovasculares, cerebrovasculares, câncer, obesidade, depressão, insônia, baixa libido, fadiga crônica etc. Portanto, devemos identificar e tratar os fatores que nos desequilibram emocionalmente, procurando equilibrar o trabalho com lazer, exercícios e tudo que nos dê prazer e equilíbrio emocional.

Os exercícios físicos são essenciais à manutenção do equilíbrio epigenético, pois herdamos uma codificação genética de nossos antepassados, acostumados à um estilo de vida baseado no esforço físico para a sobrevivência. Tinham que plantar, caçar, locomover, defender da intempéries, do frio, do calor, dos predadores etc. Portanto, cada célula do corpo está condicionada e adaptada a esse padrão. Não houve tempo para nos adaptamos às alterações de comportamento que a tecnologia tem nos oferecido, nos últimos 80 anos.