Sementes de linhaça na prevenção do câncer de mama

As sementes da linhaça (Linum usitatissimum L.), é o principal alimento funcional que existe, e tem despertado o interesse da comunidade científica devido à atividade biológica de seus componentes como as fibras dietéticas (25 – 28%) e ácido alfa-linolênico (50-55% ácidos graxos polinsaturados omega 3 de origem vegetal). Os benefícios terapêuticos do ômega 3 estão fartamente demonstrado na literatura científica. Meu objetivo é demonstrar a importante participação das fibras dietéticas presentes na semente de linhaça, as lignanas ou secoisolariciresinol diglucosidio (SDG). As lignanas podem ser encontradas na maioria das plantas ricas em fibras como sementes de abóbora, de gergelim e nos grãos de trigo, cevada e aveia. A linhaça é a maior fonte conhecida de lignanas, podendo apresentar até 30mg de lignanas por grama de sementes, o que corresponde a cerca de 75 a 300 vezes a quantidade encontrada em outras sementes ou grãos.

As bactérias da microflora ou microbiota intestinal transforma as lignanas em enterolactonas que possuem a propriedade de diminuir a produção, e eliminar o “estrogênio do mal” chamado de 16 OH Estrona, minimizando as chances da formação e proliferação do câncer de mama.

Recomendo utilizar 2 colheres de sopa de farinha de linhaça ao dia, com qualquer alimento. Combina bem com frutas, iogurte natural ou qualquer outro alimento. O ideal é comprar as sementes e triturar na hora, ou então, triturar a quantidade necessária para 2 ou 3 dias e guardar na geladeira em pote de vidro fechado.
Pode proteger também contra o câncer de próstata nos homens e para o bom funcionamento dos intestinos nas crianças e adolescentes, sendo portanto um excelente alimento funcional para toda a família.